UBE

EBD: A oração em o Novo Testamento

22 outubro 2010

INTRODUÇÃO
Anteriormente tivermos uma lição sobre a oração no Antigo Testamento. Na aula de hoje, abordaremos a oração no Novo Testamento. Destacaremos o papel da oração nos Evangelhos, conforme apresentado por Jesus; em Atos, nos primórdios da igreja; e nas Epístolas, com enfoque nas escritas por Paulo.

1. A ORAÇÃO NOS EVANGELHOS
Os evangelhos descrevem a vida e os ensinamentos de Jesus. O fato de Ele ter orado é uma premissa fundamental para que também oremos. Encontramos, nos relatos evangélicos: Mateus, Marcos, Lucas e João, vários episódios nos quais Jesus se encontrava em oração. Ele orou por ocasião do batismo nas águas (Lc. 3.21,22), antes de escolher seus discípulos (Lc. 6.12,13), pelas criancinhas que lhe cercavam (Mt. 19.13-15), em favor de Pedro (Lc. 22.32), diante do túmulo de Lázaro (Jo. 11.41,42), pelos cristãos de todos os tempos (Jo. 17), antes de ser crucificado, no Getsêmane (Mt. 26.39-44) e na cruz (Mc. 15.34; Mt. 27.46). Jesus deu várias instruções sobre a oração nos evangelhos:

  1. que podíamos receber se pedíssemos (Jo. 15.7);
  2. que deveríamos ter fé na oração (Mc. 11.22-24);
  3. que deveríamos seguir seu modelo de oração (Lc. 11.1);
  4. ter motivos apropriados (Mt. 6.5-8);
  5. a pedir ao Senhor da seara que envie obreiros (Mt. 9.36-38);
  6. a ser persistente na oração (Mt. 7.7,8);
  7. a orar e jejuar (Mt. 6.16-18).

2. A ORAÇÃO EM ATOS
Seguindo o exemplo do Mestre Jesus, a igreja primitiva aprendeu a depender de Deus através da oração (At. 1.13,14; 2.42). O derramamento do Espírito veio sobre a igreja justamente em um momento de oração (At. 2). Os primeiros irmãos mantinham a prática judaica rotineira da oração a Deus (At. 3.1). Quando a perseguição chegou, a igreja refugiou-se na oração (At. 4.24-31). A oração era uma prioridade para a igreja primitiva (At. 6.4). Diante das adversidades, e mesmo na hora da morte, os primeiros cristãos buscavam ao Senhor em oração (At. 7.54-60). Enquanto orava, Ananias recebeu a orientação de Deus para que procurasse Saulo, o perseguidor da igreja (At. 9.11). Cornélio, o homem piedoso, orava e suas orações foram ouvidas pelo Senhor, que enviou Pedro para que o conduzisse ao evangelho (At. 10.1-6). Pedro fora libertado da prisão porque a igreja orou por ele (At. 12.5). Os primeiros obreiros eram enviados por direção do Espírito, após a igreja jejuar e orar (At. 13.2,3). Os poderes satânicos eram enfrentados através da oração (At. 16.13-18). Em resposta à oração de Paulo e Silas, os alicerces do cárcere se moveram (At. 16.25-30). Muitas revelações foram dadas a Paulo em momentos de oração (At. 27.21-26), bem como curas de enfermidades (At. 28.8,9).

3. A ORAÇÃO NAS EPÍSTOLAS DE PAULO
As epístolas foram escritas no desenvolvimento histórico da igreja primitiva. Paulo, o missionário devotado à obra de Deus, trabalha e orava incansavelmente pela igreja. Ele intercedia por aqueles que abraçavam o evangelho de Cristo (Rm. 8.26,27), e instruía os irmãos à busca dos dons espirituais através da oração, com vistas à edificação da igreja (I Co. 14.13-17). O apóstolo dos gentios tinha consciência de uma batalha espiritual que estava se passando contra o reino das trevas, por isso ensinava a igreja a permanecer constantemente em oração (II Co. 10.3-5; Ef. 6.14-17). Ele também tinha consciência que nem sempre as orações dos cristãos são respondidas da maneira que desejam, há momentos em que Deus diz “não, a minha graça de ti basta” (II Co. 12.7-10). Mesmo assim, o cristão deva dar graças a Deus, no temor de Cristo (Ef. 5.18-21). Como cristãos, devemos orar em todo tempo, em qualquer circunstância (Ef. 6.18-19). Ao invés de se preocupar com os problemas, devemos entregá-los ao Senhor (Fp. 4.6). Os líderes eclesiásticos também devam ser alvos da nossa oração (Cl. 4.2-4). A oração deva ser incessante (I Ts. 5.16-21), com vistas à propagação do evangelho (II Ts. 3.1,2), e em favor de todos (I Tm. 2.1-8).

CONCLUSÃO
Há muito a ser estudado sobre a oração no Novo Testamento. Mas no espaço e tempo disponíveis para esta lição, o exposto é suficiente a fim de sabermos que podemos nos achegar a Deus com fé (Hb. 4.16; 11.1,6) com poder e eficácia (Tg. 5.13-18), em santidade no casamento (I Pe. 3.7), e sobretudo, segundo a vontade do Senhor (I Jo. 5.14).

 

O comentário é de autoria do Pb. José Roberto A. Barbosa, postado no seu blog Subsídio EBD.

Nenhum comentário :

Postar um comentário

COMENTE, todavia seja respeitoso e identifique-se, comentário "anônimo" não será postado. Obrigado!

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial
 
Copyright © 2015. O ASSEMBLEIANO .
Design by Herdiansyah Hamzah . Published by Mais Template .
Creative Commons License