UBE

EBD – Lição 3: A longa seca sobre Israel

19 janeiro 2013

EBD2013

Prof. José Roberto A. Barbosa
www.subsidioebd.blogspot.com
Twitter: @subsidioEBD

 

INTRODUÇÃO
Como medida disciplinar, O Senhor, através do profeta Elias, determinou um período de longa estiagem sobre Israel. Na lição de hoje estudaremos a respeito desse momento crítico para a nação israelita e suas consequências. Ao final, refletiremos a respeito das situações de estiagem, das catástrofes naturais como um todo, à luz do contexto bíblico-teológico.

1. A SECA SOBRE ISRAEL
Baal era adorado entre os cananeus, e posteriormente, pelos próprios israelitas como deus da fertilidade (I Rs. 16.30-33). Por isso Elias profetizou que Deus enviaria um período de seca sobre a nação a fim de que o povo reconhecesse que somente o Senhor era Deus. A profecia de Elias se cumpriu cabalmente nos dias do rei Acabe (I Rs. 17.1,2; 18.1,2) e é mencionada no Novo Testamento (Tg. 5.17). O objetivo daquela seca foi fazer com que o povo refletisse a respeito da sua condição espiritual. Ele estava dividido entre dois pensamentos (I Rs; 18.21,37). Mas durante o período da estiagem Deus preservou a vida do profeta Elias, providenciando-lhe alimento necessário para sobrevivência (I Rs. 17.1-7). Inicialmente o Senhor orientou o profeta para que saísse do lugar no qual Seu juízo se realizaria (I Rs. 17.3). Em seguida Ele ordenou que o profeta se escondesse junto ao ribeiro de Querite (I Rs. 17.3). Aqueles foram dias difíceis para os profetas do Senhor, pois eles eram perseguidos e mortos por Acabe e Jezabel. Mas dentro do palácio havia alguém sensível às injustiças realizadas por aquele casal. Obadias ocupava ali uma posição-chave, pois encontrava maneiras para preservar a vidas dos servos de Deus. O texto bíblico diz que ele “temia muito ao Senhor”, por isso os escondia, opondo-se aos intentos apóstatas da monarquia (I Rs. 18.4). Não são poucos os cristãos que se encontram em igual condição, vivem debaixo de governos tiranos, mesmo assim se arriscam em prol da justiça. Na história da igreja nos deparamos com pessoa, como Corrie ten Boom, que se arriscou parasalvar a vida de vários judeus durante a Segunda Guerra, ocultando-os das forças nazistas.

2. AS CONSEQUÊNCIAS DA SECA SOBRE ISRAEL
A seca resultou em fome, mas ao invés de se preocupar com as necessidades do povo, Acabe estava voltado apenas para seus pertences. Ao invés de encontrar soluções para amenizar a fome extrema em Samaria (I Rs. 18.2), o monarca buscava meios para preservar suas posses (I Rs. 18.4-6). Naquele contexto de apostasia um homem, Obadias, reconheceu a autoridade espiritual de Elias. Mesmo assustado, o servo de Acabe temeu ao profeta do Senhor, e este, por sua vez, se prontificou a salvar a sua vida (I Rs. 18.14,15). Elias apresentou-se a Acabe, mas o rei não quis reconhecer o seu pecado, antes culpou o profeta pela seca, dizendo ser o mensageiro do Senhor um perturbador (I Rs. 18.17). Elias confrontou Acabe e Jezabel, denunciando que a causa da estiagem não era ele, muito menos o Senhor, mas a desobediência por eles patrocinada (I Rs. 18.18). Há governantes que agem de igual modo nos dias atuais, eles não mostram sensibilidade pela situação do povo diante das catástrofes naturais. Há inclusive aqueles que querem tirar proveito político em tais situações. Como Acabe e Jezabel, subtraem os recursos públicos, desviando-os para negócios particulares. A miséria, decorrente de desastres, se transforma em negócio, por meio do qual vidas humanas são sacrificadas. Aqueles que denunciam tal postura antiética são rotulados de perturbadores. Mas entre tais governos corruptos e insensíveis existem aqueles que, assim como Obadias, evitam que as pessoas sejam injustiçadas, ainda que corram riscos.

3. SECAS, ENCHENTES E DESASTRES NATURAIS
Não podemos generalizar, argumentando que todas as secas, enchentes e desastres naturais são julgamentos divinos. Não podemos esquecer que a queda do homem teve efeitos sobre a natureza (Rm. 8.18-22). Jesus reconheceu que os seres humanos estão debaixo das condições adversas resultantes de catástrofes naturais (Mt. 7.24-27). Não é correto tentar encontrar uma relação de causa e efeito em todas as situações de desastres naturais. Ainda que não compreendamos a causa dos desastres, devemos aprender, com Jeremias, a sentir a dor das pessoas (Lm. 2.19). Ninguém deve ter a pretensão de achar que conhece todos os desígnios de Deus (Is. 55.8,9). No Antigo Testamento Deus governava a nação judaica diretamente, por isso o Senhor usava a natureza para recompensar ou julgar o povo (II Cr. 7.13,14). Essa realidade não pode ser diretamente aplicada ao contexto do Novo Testamento. Cristo se fez maldição ao ser pregado no madeiro (Gl. 3.13). Os desastres naturais ocuparão espaço punitivo no plano escatológico, no período da Tribulação (Mt. 24.27-30; Ap. 6.12-17). A resposta do cristão diante de secas e enchentes é a de lamentação (Lm. 1.12,13,16), chorando com os que choram (Rm. 12.15). Elias recebeu a revelação direta do Senhor, informando às autoridades, naquele tempo, que a seca havia sido resultante da apostasia. Não podemos, neste tempo, aplicar aquela realidade para situações particulares.

CONCLUSÃO
O pecado traz desastres para o ser humano, o maior deles é o distanciamento de Deus, o Criador (Rm. 3.23). Essa é a morte espiritual, que pode, posteriormente, caso as pessoas não se arrependam, se transformar em morte eterna (Ap. 20.14). O julgamento de Deus, em Cristo, acontecerá no futuro, no Trono Branco (Ap. 20.11-15). Secas e enchentes acontecem hoje, mas porque a natureza geme, em decorrência do pecado do ser humano (Rm. 8.22). Como cristãos, não devemos julgar povos e nações diante das catástrofes, antes lamentar, e ajuda-los na necessidade (II Co. 8.9-12).

BIBLIOGRAFIA
GETZ, G. Elias: um modelo de coragem e fé. São Paulo: Mundo Cristão, 2003.

SWINDOLL, C. R. Elias: um homem de heroísmo e humildade. São Paulo: Mundo Cristão, 2001.

Um comentário :

  1. EBD – Lição 3: A longa seca sobre Israel

    A paz do Senhor irmão.

    Excelente postagem (EBD – Lição 3: A longa seca sobre Israel), em suma realmente se fez necessário um remédio muito amargo (longa seca e tudo o que ela acarretou ao povo em mais de 3 anos) para corrigir corações divididos e demonstrar a soberania de Deus.

    José & Sônia (ADM/MS)
    Curso Bíblico Infantil Palavra de Deus
    www.cursobiblicoinfantil.blogspot.com




    ResponderExcluir

COMENTE, todavia seja respeitoso e identifique-se, comentário "anônimo" não será postado. Obrigado!

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial
 
Copyright © 2015. O ASSEMBLEIANO .
Design by Herdiansyah Hamzah . Published by Mais Template .
Creative Commons License